X

blog

Saigon 2: Casa Vegana

23 / ABR / 2015


 

Antes degradada, essa casa de 1965 recebeu tratamento pela BLOCK Architets, para atender aos interesses do  dono. Depois tê-la alugado durante uma temporada de férias, o proprietário percebeu seu potencial para turismo e buscou um projeto que adaptasse a moradia a essa nova demanda. Buscou arquitetos que pudessem transformá-la em algo mais atraente e aconchegante, sem ferir os aspectos arquitetônicos do entorno da cidade de Saigon.

Interessado em criar ali um espaço cultural, o dono apostou no público viajante. Ali encontrarão pessoas de todo o mundo, compartilharão experiências e ainda poderão conhecer o melhor da culinária vietnamita, com destaque para o menu Vegano. A partir dessa premissa, criou-se a Vegan House, Centro Gastronômico e eventual Hostel.

A antiga dureza da casa foi toda descontruída, através de nova decoração, criada parcialmente com novos materiais,parcialmente de objetos abandonadas, deixados por amigos do dono, que entre uma v. Aproveitando esses objetos, como cadeiras, mesas, armários, janelas e lustres, o local ganhou uma personalidade marcante, buscando de agora em diante manter essa tradição: aqueles que passarem por ali são incentivados a deixar também algum pertence, atribuindo ainda mais vitalidade ao lugar.

Talvez o aspecto que mais chame atenção sejam as janelas coloridas da fachada principal, que escondem a antiga aparência da construção - algo similar às do entorno - atribuindo-lhe mais graça e humor. Além do mais, essas esquadrias fazem parte da herança do país: comumente utilizadas em casas e edifícios, esse tipo de janela recebeu apenas novas cores, vibrantes e frescas, gerando um efeito de resgate, com um toque de humor.

Essas janelas repetem-se ainda: 1) na coberta, criando agradáveis ambientes de terraço no andar superior; 2) dentro dos ambientes, servindo de divisórias leves.

Dentro da casa, os ambientes são amplos e arejados, com pouca mobília e revestimentos - a maioria deles - remanescentes da construção original. No térreo, há armários que permeiam toda a extensão da casa, onde a cozinha ganha destgaque, com seu enorme balcão que estimula a confraternização e a experimentação culinária.

Na transição entre térreo e primeiro andar, existe um jardim e espaços de convivência. No primeiro andar, um quarto com 4 grandes camas e um espaço de trabalho. Existe ainda uma escadaria de aço que conduz ao segundo andar, que costumava estar abandonado e agora serve de terraço.

Fonte: ArchDaily.com