X

blog

Pavilho Ecolgico da Bayer

10 / JUN / 2015


 

Dentro do Compleo da Empresa Química Bayer da capital paulista, às margens do Rio Pinheiros, entre galpões e prédios administrativos, surge o pavilhão criado pelo Loeb e Capote Arquitetura. A construção térrea, de dimensões modestas, é um centro de convivência para os funcionários, ordenados pela própria empresa.

Nos últimos anos, a Bayer passou a ter, em sua unidade paulistana, mais atividades administrativas, o que requeria, portanto, mais programas de interação entre os trabalhadores e mais espaços onde essa movimentação pudesse acontecer. O pavilhão proposto é um desses espaços.

A edificação serviu ainda como um experimento para a Bayer em construção sustentável. A partir de uma proposta simples,  empregando vários de seus próprios compostos químicos produzidos in loco, o pavilhão é uma mostra do que pode ser feito na construção civil, com a utilização dos produtos da Empresa.

O espaço é único, com uma estrutura leve metálica, encaixada nas próprias árvores, que, eventualmente, também perpassam a construção, assim como espelhos d’água e outros elementos de integração com a rica camada vegetal do entorno. Por sua esbeltez, cor branca e modulação de pilares, é fácil encontrar semelhantes deste projeto com os de Mies van der Rohe, em especial a Casa Farnsworth.

O escritório que assina esse projeto também foi responsável pelo projeto da fábrica da Natura. Um dos coordenadores da Bayer, após estudar amplamente o histórico de projetos do grupo, achou suas propostas adequadas à demanda de seu pavilhão. O resultado atingido é louvável, uma belíssima adequação entre modernidade e tradição, bem aos moldes do Loeb&Capote.

Fonte: Revista aU.