X

blog

Casa T : Tulum_Mxico

05 / SET / 2015


 

Um dos últimos trabalhos do grupo mexicano Studio Arquitectos , a Casa T foi projetada para Brandon Troy, designer de moda radicado em Nova York, que costuma passar seus verões no país latino. Além de um ambiente tranquilo para descanso e reuniões de amigos, o cliente desejava uma arquitetura que respirasse moda, que contasse com rico trabalho paisagístico e bons espaços interiores. Para isso, trabalhou em parceria com os arquitetos encarregados da missão, contribuindo com boa direção artística para o projeto.

Uma de suas preocupações foi o uso restrito de cores e materiais: o cinza do concreto impera na construção, apenas interrompido pelo verde das plantas do jardim e pelo azul da piscina longitudinal. As formas da edificação foram enriquecidas por ranhuras verticais do bloco frontal e à modulação de 1x1m dos muros laterais, compondo um efeito tabuleiro que cerca toda a casa.

A planta baixa dessa casa de 262m² foi resultado das diversas exigências do morador, em especial sua preocupação em manter o maior número de árvores possível, adaptando assim os volumes construídos, que foram casualmente dispostos em “T”, originando, assim, o nome da residência.

Além de naturalmente bem-iluminada durante o dia, o projeto lumino-técnico da casa é eficaz, dando aos ambientes outra vida à noite. A luz escassa e amarelada teve pontos bem locados, atendendo bem aos espaços e proporcionando maior compreensão de sua profundidade, estando o observador diante da edificação.

A piscina é um capítulo à parte: suas dimensões alongadas, auxiliadas pela sequência de pórticos, parecem convidar aos outros ambientes da casa, e tanto sua iluminação interna quanto a indireta, abaixo de suas bordas, parecem fazê-la flutuar, enfatizando ainda mais o percurso do visitante até os fundos e às escadas que dão até o andar superior.

Em seus interiores, os revestimentos e mobiliário foram sabiamente escolhidos, mantendo o padrão das poucas – e boas- cores. Bancos e balcões de madeira mantêm a linguagem crua presente no cimento queimado das paredes e piso; cerâmicas em alguns pontos da casa trazem vida aos ambientes de convivência; pastilhas nas áreas molhadas dão ênfase às cores primárias: amarelo no balcão da cozinha, vermelho e azul nos banheiros.

Já o verde foi preservado também no interior: em vários ambientes, igualmente preservadas, como na suíte, onde o tronco esguio de árvore ganhou caráter escultórico, dividindo o quarto do banheiro.

A casa desenvolve-se em grande parte no piso térreo, onde se concentram cozinha, quarto, banheiro e sala. Já o piso superior ganha vida ao receber convidados para um jantar, contando com outra pequena copa de balcão americano. Por fim, um dos espaços mais aconchegantes da edificação encontra-se justo em seu limite. No terraço da cobertura, existem duas enormes poltronas cercadas por jardim e copas de arvores, convidando a uma longa pausa de relaxamento.  

Por fim, o projeto, que almejava enfatizar nas cores e texturas, mesclando diversos campos artísticos, respeitando ainda o clima tropical da cidade de Tulum, atingiu todos os objetivos a que se propôs, concretizando-os numa construção elegante e arrojada, ao mesmo tempo rústica e modesta.